Pré-processamento de dados usando Construo

Construo, o pré-processador de dados Crusta, processa DEMs (dados topográficos), imagens (Satélite, Aéreo, etc – basicamente qualquer coisa com três bandas de 8bit) e camadas escalares (mapas de diferenças, mapas de declive, etc – basicamente qualquer coisa com uma única banda escalar). O processador aceita numerosos tipos de dados (TIFF, ArcGrid, etc – qualquer coisa que seja suportada pela biblioteca GDAL).

Antes de entrar nos detalhes sobre como Construo é utilizado, é importante compreender porque é que é mesmo necessário. A visualização de dados de alta qualidade fornecida pela Crusta em tempo real é possível devido à optimização na forma como os dados são organizados. A Crusta assume que um globo é dividido em 30 partes que, por sua vez, são refinadas numa hierarquia multi-escala, conforme necessário pela resolução espacial dos dados visualizados. O conjunto destas 30 hierarquias, combinado com um descritor de meta-dados, formam um Crusta globefile. Construo é a ferramenta utilizada para construir globefiles a partir de dados digitais tradicionais do terreno.

Opções Construo

Construo pode ser executado a partir de uma janela terminal. Para uma impressão de como o construo funciona, pode simplesmente digitar:

construo

que exibe todas as opções:

Usage:
construo -dem | -color | -layerf <globefile name>.globeFile
         [-offset <scalar> | -noOffset]
         [-scale <scalar> | -noScale]
         [-nodata <value> | -defaultNodata]
         [-pointsampling] [-areasampling]
         [-settings <settings file>]
         <input files>
  • -dem | -color | -layerf – Escolha apenas um, dependendo se os dados que está a processar são um mapa de elevação digital, uma imagem RGB ou uma imagem escalar de banda única, respectivamente
  • <nome globefile> – caminho para o globefile de saída desejado. Novas imagens de entrada podem ser adicionadas aos ficheiros globais existentes e compatíveis; ou se o ficheiro global não existir, será criado um novo ficheiro. É necessário especificar o caminho para um globefile para que o Construo funcione. Por favor, siga a convenção de terminar explicitamente os seus nomes globefile com a extensão .globefileFile.
  • -offset <escalar> – pode ser utilizado para adicionar o <escalar> valor aos valores que são lidos de todos os <ficheiros de entrada> seguindo a especificação de -offset. Utilize a bandeira -noOffset para desactivar a compensação para todos os seguintes ficheiros de entrada <>
  • – escala <escalar> – podem ser utilizados para escalar os valores que são lidos a partir de todos os seguintes <ficheiros de entrada> por <escalar> (por exemplo, converter um ficheiro DEM em pés para metros com -escala 0,3048). Use a bandeira -noScale para desactivar a escala para todos os seguintes ficheiros de entrada <>
  • -nodata <valor> – anula os nodados carregados por GDAL e atribui <valor> como os nodados para todos os seguintes <ficheiros de entrada> (só usar isto se o GDAL não ler num valor NoDATA apropriado). Por exemplo, use -nodata “0 0 0” se quiser remover todos os pixels pretos (as citações SÃO importantes!!). Utilize a bandeira -defaulNodata para utilizar o valor interno de nodata para todos os seguintes ficheiros de entrada <>
  • Por agora ignorar -amostragem de pontos e -amostragem de áreas
  • > -settings <- é utilizado para especificar configurações planetárias personalizadas (por exemplo, utilizando Marte em vez da Terra por defeito).
  • <ficheiros de entrada> – caminhos para todos os ficheiros de imagem de origem a adicionar ao ficheiro do globo especificado.

IMPORTANTE – Criar um Crusta globefile é como pintar. Primeiro é necessário pintar uma camada de base e depois aplicar outra tinta no topo que melhore a pintura. Assim, ao processar um Crusta globefile com dados de resolução diferente – a ordem dos ficheiros de entrada é importante. Primeiro especificar os dados de resolução mais grosseiros e depois o meio e depois a melhor resolução (por exemplo, mármore azul -> Aster -> LiDAR).

Mac OS X

O pacote de aplicações Construo.app substitui o uso da linha de comando. nota: Os pacotes Crusta.app e Construo.app devem ambos residir na mesma pasta para que o Construo funcione. Por favor, siga estes passos para construir globefiles:

  1. Clicar duas vezes no ícone Construo.app para abrir a janela de configuração. Aqui deve especificar o tipo e o nome do globefile a produzir. Por favor ver as opções -dem, -color e -layerf acima. Clique em “Done” (Feito) uma vez que tenha completado a especificação do globefile de saída.
  2. Arraste os ficheiros de entrada desejados no ícone Contruo.app. Estes dados serão adicionados ao globefile de saída especificado no passo anterior.

Pode editar a forma como Contruo interpreta os ficheiros de entrada clicando em “Parâmetros” na janela de configuração. As opções são especificadas acima. As edições são guardadas e reutilizadas sempre que os ficheiros são arrastados para o ícone, por isso, certifique-se de configurar os parâmetros em conformidade.

Exemplos Construo

Para os exemplos fornecemos as linhas de comando e assumimos que ouput globefiles devem ser colocados na pasta /Data/Processed e todos os ficheiros de entrada podem ser encontrados em /Data/Raw

  • Construir um novo globefile topográfico usando dois rastros de DEM como TIFF:
construo -dem /Data/Processed/topo.globeFile /Data/Raw/dem0.tif /Data/Raw/dem1.tif
  • Acrescentar um raster DEM como ArcGrid a um globefile existente:
construo -dem /Data/Processed/topo.globeFile /Data/Raw/dem2ArcGrid
  • Construir um novo globefile colorido usando múltiplas entradas TIFF:
construo -color /Data/Processed/color.globeFile /Data/Raw/color/*.tif

Outras Notas:

  • Se tiver um globefile ao qual gostaria de adicionar dados adicionais, pode especificar esse globefile em <nome do globefile>. Isto irá então escrever todos os novos dados em cima dos existentes. O processo é irreversível, pelo que se recomenda o apoio do globefile existente antes de se lhe acrescentarem novos dados.
  • Para processamento de imagens pode ignorar a maioria dos comandos (-offset, -scale, -nodata) – por exemplo construo -color <globefile name> <ficheiros de entrada>
  • Construo pode carregar em valores NoDATA a partir de ficheiros ESRI GRID automaticamente. Se estiver a carregar dados topográficos (DEM), isto pode ser feito especificando o directório que contém os numerosos ficheiros GRID. Construo encontrará o ficheiro GRID e carregará aquele (por exemplo /gis-dados/GIS/demonstrações/Danos/sm_alirt/)
  • Parece que o GDAL não gosta do formato GRID RGB (imagery). Aparentemente, este formato expõe 4 pastas – as 3 bandas de cor que contêm os ficheiros w*.adf que os crustáceos carregam e uma quarta pasta que o ArcGIS reconhece como a combinação de todos esses ficheiros. Infelizmente, o carregamento em cada pasta individual irá sobrescrever a anterior, por isso NÃO utilize o formato ESRI GRID para IMAGERIA COR.
  • Parece que o GDAL tem um problema com a leitura dos formatos de imagem JPEG2000. Afecta algumas das imagens do HiRISE. Por favor, converta o JPEG2000 para outro formato de imagem suportado, por exemplo, GeoTIFF. Pode ser encontrada aqui ajuda para a conversão dos dados de Marte: Dados para CrustaMars.
  • GDAL faz uma distinção entre a latitude de origem e a latitude da verdadeira escala. Estas não foram utilizadas correctamente em alguns dos dados do HiRISE que utilizámos. Felizmente Construo produz um ficheiro .proj que contém a projecção que utiliza para processar os dados quando lê pela primeira vez a entrada (não sobrescreve o ficheiro se este já existir). Desta forma, as projecções podem ser definidas manualmente (se não houver georreferenciação) ou ajustadas (se houver). Assim, uma primeira tentativa (cancelada) de construir os dados HiRISE fornece os ficheiros .proj onde o valor armazenado para latitude_de_origem pode ser definido para um novo parâmetro_paralelo_padrão_1 para produzir a projecção correcta